Arquivo da tag: Mariana

“Fábrica do Futuro”, de sonhos e de audiovisual

Por Iago Resende 

Cesar Piva (dir.), da Fábrica do Futuro e Marta Maia (UFOP). / Foto: Iago Resende.

Na primeira tarde de Cine Festival Inconfidentes, quinta-feira, 04, às 14h, o SESI Mariana sediou debate sobre o potencial da arte cinematográfica contemporânea em Minas Gerais. O convidado, Cesar Piva, falou sobre a importância do audiovisual no interior, tendo como exemplo a experiência do projeto Fábrica do Futuro, sediada em Cataguases – MG.

De acordo com Piva, a vida virou foco em Cataguases. A experiência do audiovisual gerou uma possibilidade de mudança na cidade e na região. O processo foi capaz de “acender a luz dos sonhos” da população, abrangendo uma gama de profissionais que vão de atores a carpinteiros, cuja dedicação “honrou” a cidade e o projeto com diversas premiações.

Para a estudante de jornalismo da UFOP Anna Antoun, 20, o audiovisual é importante para as pequenas cidades, “pode-se aprender muita coisa”, afirma. Já Letícia Afonso, 19, diz apoiar a interiorização do audiovisual e acredita no desenvolvimento do mesmo em Mariana: “com a formação da primeira turma de Jornalismo da UFOP, a cidade caminha para o audiovisual e o acesso acontece”, complementa.

O Cine Festival Inconfidentes segue até 07 de Outubro. A programação completa está disponível no site do evento.

Para saber mais sobre a Fábrica do Futuro, confira o site oficial.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Batucada para chamar atenção e dissipar alegria

Por Thiago Anselmo Barbosa

Garotos do CRIA e Mestre Vicente abrem o Cine Festival Inconfidentes. / Foto: Thiago Barbosa

Rufaram os tambores no final da tarde de quinta, 04. Foi para anunciar que a 3° edição do Cine Festival Inconfidentes estava apenas começando. Para atrair a atenção da população marianense, nada melhor do que uma barulhenta mas ritmada bateria, formada por jovens da cidade.

Garotos do CRIA – Centro de Referência da Infância e da Adolescência, junto com alunos do Conservatório Mestre Vicente animaram o cortejo e chamaram a atenção pelo barulho e harmonia durante o percurso da Ponte de Areia até a Praça Gomes Freire, o Jardim.

Com as batidas, espanto e alegria transpareciam nos rostos daqueles que iam para as portas e sacadas assistir ao que estava acontecendo na rua. Crianças pulando, senhoras tampando os ouvidos por causa do barulho ensurdecedor e até mesmo um cachorro acompanhando o Cortejo virou atração para os fotógrafos que ali registravam o momento.

Para o aluno de jornalismo da UFOP Marllon Bento, o cortejo foi uma ideia muito interessante, tanto por chamar a atenção dos moradores para o festival como por estreitar os laços entre os marianenses e a Universidade.

Depois de toda batucada se calar, mesmo com a alegria tendo tomado as ruas, tudo voltou ao normal. Dona Raimunda, moradora de Mariana, disse que “foi barulhento, mas foi interessante, muita descontração para o momento”. Para ela, Mariana precisa de muita cultura: “O povo ainda não tem muito contato com a cultura, então não sabem a importância de um teatro ou um cinema. E um fato interessante foram as crianças tocando, além de tudo, tem um lado educacional por trás disso tudo”.

Veja todas as notícias sobre o cortejo de abertura do 3º Cine Festival Inconfidentes.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Crianças encantam o público na primeira noite de festival

Por Hélen Cristina Paula

Foto: Isadora Rabelo

As crianças do grupo “Aprendizes da Esperança”, do Conservatório Mestre Vicente, encantaram quem esteve presente no Teatro SESI, em Mariana, na noite de quinta, 04, na abertura do Cine Festival Inconfidentes. O grupo interpretou canções brasileiras, africanas e indígenas.

Ao final da apresentação, emocionada, a estudante do curso de História da UFOP Simeia Santana comentou o espetáculo: “foi emocionante, as músicas são tocantes. É a primeira vez que participo do festival e estou achando a programação muito interessante. Só achei que deveria ter ainda mais divulgação, há pessoas que não sabem que podem ter acesso a eventos como esse, de qualidade e de graça”.

A estudante de jornalismo Lívia Ciccarini, envolvida na produção do Festival, falou da experiência de participar de um evento como este: “é muito trabalhoso, mas vale a pena, quando você vê professores e alunos trabalhando juntos para realizar um grande projeto. E ver que está dando certo é muito satisfatório”.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Abertura cultural do Inconfidentes

Por Mateus Franco

Foto: Paula Peçanha

O Cortejo Cultural de abertura do Cine Festival Inconfidentes, realizado pela Universidade Federal de Ouro Preto, teve início na Ponte de Areia (ao lado do ICSA) no final da tarde da quinta-feira, 04 e contou com a animação do Grupo Percussão e de crianças do Espaço CRIA – Centro de Referência à Criança e ao Adolescente de Mariana, espaço socioeducativo voltado para a cultura, arte, esporte e inclusão digital e que atende crianças e jovens de 4 a 17 anos e tem parceria com a UFOP.

O Cortejo seguiu pela Rua Direita, depois pela Frei Durão e chamou a atenção da população e lojistas, que se reuniram em frente a seus estabelecimentos com olhares curiosos e de admiração. Jaqueline Ferreira, comerciante e moradora de Mariana destaca a importância de uma apresentação cultural relacionada com a cultura da cidade: “Eu acho muito importante ter crianças participando de uma apresentação cultural porque já vai incentivando eles a dar valor a cultura da cidade, principalmente por eles serem nativos, já que tem muitas pessoas que são nativas e não dão valor para o que tem”.

Na Praça Gomes Freire, o Jardim, ponto de chegada do Cortejo, além da apresentação de percussão as crianças mostraram seu talento para a dança. Bruno Henrique, 15 anos, percursionista e dançarino, falou da experiência: “A sensação que eu tenho é de estar passando alegria, tanto para mim como para as pessoas que observam nosso trabalho e podem ter a condição de escutar vários ritmos como reggae, funk e marchinha”.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Livro “Luz, Câmera, Ação!” lançado no Festival Inconfidentes

Obra de Cláudio Costa Val reúne algumas de suas crônicas

Por Fernanda Belo

Cláudio Costa Val é roteirista, diretor de cinema e teatro e professor da Escola Livre de Cinema. Há 10 anos dá aulas de roteiro e diz que o cinema, a literatura e a música dialogam entre si, pois são dependentes umas das outras e podem se complementar.

Seu livro “Luz, câmera, ação”, lançado na primeira noite do Festival Inconfidentes, no Teatro do Sesi, em Mariana, noite engloba crônicas relacionadas à área de atuação do autor: a audiovisual. Durante o lançamento muito foi falado sobre a produção de curtas, longas e seus roteiros.

Para Cláudio Costa, a crônica e o curta metragem são produtos com menos apelo do que um longa e um romance. Com bom humor e de forma descontraída, revelou que está há quatro anos produzindo o roteiro de um longa metragem e ainda não conseguiu terminá-lo.

No debate, perguntado sobre o processo de escrita, o cineasta contou que essa é uma pergunta constante e, citando Nietzsche, disse que é preciso esforço para conceber algo, um certo sacrifício para a produção da escrita e que se deve criar uma certa rotina, promovendo um casamento entre disciplina, criatividade e necessidade de escrever.

Segundo Cláudio Costa Val, tudo é passível de se tornar roteiro, a diferença está no relato, na maneira de contar a história e na sua estrutura: “as histórias mais legais, costumam ser as mais simples”, afirma.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Depois de Belo Horizonte e Viçosa, Cláudio Costa Val lança livro em Mariana

Por Isadora Ribeiro 

O roteirista, diretor de cinema e teatro e diretor e professor da Escola Livre de Cinema de Belo Horizonte, Cláudio Costa Val, lançou seu livro Luz, Câmera, Ação! – Crônicas a 24 quadros por segundo em Mariana na noite de ontem. O lançamento foi parte da programação do primeiro dia da 3ª edição do Cine Festival Inconfidentes.

Em seu livro Costa Val reúne crônicas sobre cinema e arte em geral. Elas foram escritas entre agosto de 2008 e outubro de 2011 e publicadas, em sua grande maioria, na coluna mensal do autor no jornal Santa Tereza Notícias.

Para a recém-formada em História pela UFOP, Bárbara Mançanares (23), que esteve presente no lançamento, o festival “desafia a ideia pré-concebida da inviabilidade da área audiovisual no Brasil e na região”.

Roteiro x crônica - Questionado sobre a produção de roteiro e crônica, Costa Val disse que ambos se assemelham por serem frutos da observação. Entretanto, segundo ele, enquanto “a crônica tem sua conclusão na escrita, o roteiro é o início de um processo de produção; ele se transubstancia”.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Jovens percussionistas animam primeiro dia de Festival

Por Alessandra Guimarães

Final de tarde em Mariana, pessoas ansiosas por chegarem em casa. No meio dessa correria, bem no centro da cidade, um grupo de crianças e adolescentes afinam seus instrumentos. Dezenas de pessoas, entre elas estudantes, professores e moradores se reúnem na chamada Ponte de Areia para dar início ao 3º Cine Festival Inconfidentes, evento que traz para a primeira cidade de Minas uma alternativa de diversão, cultura e educação nos próximos dias.

Cássio Reis, morador de Mariana, diz que é a segunda vez que acompanha o Festival e torce para que ações como esta continuem na cidade: “Eu acho diferente, já que a cidade não investe muito neste tipo de evento. Ações assim são boas para atrair outro público que não seja apenas para visitar igrejas”.

O cortejo musical percorreu as principais ruas do centro da cidade. Ao longo do caminho, moradores e trabalhadores paravam para ver a animação dos jovens. Marcelo Magrão, professor de percussão  do conservatório Mestre Vicente, de Mariana, esteve à frente das crianças durante todo  percurso. Segundo ele, é o segundo ano que o grupo é convidado a participar: “é um intercâmbio que a gente faz com a universidade”.  Magrão acredita que eventos como o Cine Festival Inconfidentes são muito importantes para a cidade, mas considera que a divulgação deverá ser maior: “tá faltando gente”.

Entre os observadores da movimentação, alguns estudantes de jornalismo, muitos deles fazendo suas primeiras reportagens. Hélen Cristina, uma dessas estudantes, disse que a oportunidade estava sendo proveitosa: “É uma experiência nova , é a primeira vez que a gente faz uma cobertura, é interessante porque a gente começa a ter contato com a atividade profissional  e pra tudo que acontece, é bem bacana”.

Ao final do cortejo, Adriano Medeiros, organizador do festival, fez um  balanço do evento: “A ideia é que gradativamente o Cine Festival Inconfidentes se firme como uma proposta artística cultural da região, que não se prenda apenas ao conceitual e sim ao cinema como um todo”.  E acrescenta: “Nós estamos plantando uma semente. Gostaríamos muito que os frutos fossem saborosos”.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Cortejo cultural anima ruas de Mariana

Por Hélen Cristina Paula

Começou nesta terça-feira a terceira edição do Cine Festival Inconfidentes, realizado pela Universidade Federal de Ouro Preto nas cidades de Ouro Preto e Mariana e em seus respectivos distritos. Além da exibição de filmes, o projeto irá terá debates, palestras, oficinas e apresentações artísticas.

Uma das atrações do primeiro dia de festival foi o Cortejo Cultural, que contou com a participação do grupo Percussão, formado por alunos da rede Municipal de Ensino de Mariana. O cortejo percorreu as ruas do centro histórico da cidade e atraiu as pessoas que passavam pelos locais do trajeto.

Um dos integrantes do grupo Percussão, Lucas Eduardo Siqueira, contou que faz parte do grupo há dois anos, mas esta é primeira vez que participa no Festival. Disse ainda que a experiência foi muito interessante e que gostou bastante da receptividade do público.

Aluna do 5º período do curso de jornalismo da UFOP, Tuanny Ferreira, falou da importância do festival. Segundo ela, esse tipo de evento possibilita à comunidade ter acesso à produção dos alunos e cria uma relação entre a cidade e a universidade, além de promover a cultura local.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Crônica, cinema e conversa no lançamento do livro de Cláudio Costa Val

Por Bianca Cobra

O Teatro SESI, em Mariana, foi palco do lançamento do livro “Luz, câmera, ação – Crônicas a 24 quadros por segundo”, de Cláudio Costa Val, diretor de cinema, redator, roteirista, professor na Escola Livre de Cinema. Na noite de abertura do Cine Festival Inconfidentes, 4/10, o autor conduziu uma conversa que envolveu os presentes. Em sua fala, o depoimento de um fascinado pela crônica, pelo fato dela tratar do momento presente, classificada por Val como uma forma de escrita mais libertária. Para ele, o cinema é um modo de dialogar com o mundo e traz relação com a crônica, pois ambos contam com um viés observador e crítico. Gerliane Mendes, 23, e César Raydan, 21, estudantes de Jornalismo da UFOP, admiradores de uma boa crônica, gostaram do lançamento do livro e da discussão sobre cinema e literatura. Ambos não conheciam o autor, mas ficaram satisfeitos com o diálogo: “ele esclareceu o universo da crônica, do curta e do longa metragem expondo os desafios e as soluções para estas formas de cultura que contam ainda com tão pouco incentivo”, disse César Raydan. Cláudio Costa Val elogiou o Cine Festival Inconfidentes apontando esse tipo de evento como necessário para a cultura local.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Cortejo Cultural anuncia início do Cine Festival Inconfidentes

Por Bianca Cobra

Foto: Paula Peçanha

O CRIA, Centro de Referência da Infância e da Adolescência de Mariana, animou no final da tarde desta quinta, 04, o cortejo cultural que anunciou o Cine Festival Inconfidentes. Com saída da Ponte de Areia, seguindo até a Praça Gomes Freire, o cortejo teve a animada participação do Grupo Percussão, atraindo a atenção de várias pessoas durante o trajeto. O Grupo existe há sete anos e é composto por jovens de 11 a 17 anos. Entre eles, Paulo Henrique, 15, e Bruno Henrique, 17, integrantes do grupo há dois anos e meio. Ambos mostraram grande intimidade com os instrumentos e disseram que integrar o Percussão traz alegria e os ensaios são ótimos para “desestressar”. Josiane, 24 anos, assistiu ao cortejo da porta da loja onde trabalha e ficou admirada com tamanho entusiasmo e movimentação da bateria. Quando perguntada sobre o evento, disse que não tinha conhecimento do Festival e achava importante a divulgação.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.

Desequilíbrio informativo em Mariana

Por Caroline Souza Cunha

Com o intuito de entender de que modo a cultura é tratada pela mídia local, o grupo de pesquisa da professora Juçara Brittes, que tem como tema “Políticas de Comunicação”, iniciou a apresentação dos projetos do Seminário de Pesquisa, Ensino e Extensão, realizado durante a Secom.

A estudante Mayara Gouveia explicou o trabalho, que teve início em 2010 com o título “O agendamento da mídia pelos movimentos culturais em Mariana” e foi apresentado no Intercom deste ano. O projeto visa também indicar o desequilíbrio informativo em Mariana e com a ajuda do estudante voluntário Rolder Wangler será ampliado para a Argentina.

“A comunicação do Circovolante”, projeto da professora Adriana Bravin e do estudante Pablo Gomes, surgiu a partir da pesquisa de Mayara Gouveia. E visa entender a apropriação dos meios não convencionais de comunicação, nesse caso o circo. O bolsista descreveu como são divulgados os eventos do circo e as formas de divulgação. Apesar do nome Circovolante, o circo não tem a característica nômade dos demais.

A importância dos projetos

“A participação em projetos te coloca em um lugar diferenciado na universidade e no mercado de trabalho, pois há construção de conhecimento. É o primeiro passo para aprender a postura de um pesquisador, ajudando nas construções de teses de Mestrado e Doutorado, além de proporcionar o aprendizado de métodos que o jornalista utilizará”, afirmou o estudante e bolsista Pablo Luís Gomes Barroso. Dessa forma é possível entender a importância da participação dos alunos nestes projetos.