Longa de Helvécio Ratton discute comunidades e meios de comunicação

Por Gabriela Ribeiro da Costa

A exibição do longa-metragem “Uma onda no ar” fez parte das homenagens ao cineasta mineiro Helvécio Ratton no Festival de Cinema Inconfidentes, encerrando a programação de sábado (06) no SESI Mariana. O filme é inspirado na história da Rádio Favela FM, de Belo Horizonte, e mostra a importância da comunidade se apropriar dos veículos de comunicação para o seu desenvolvimento.

Para o professor de telejornalismo da UFOP Adriano Medeiros, organizador do evento, a exibição do longa foi uma aposta para um processo de aproximação do público: “É um facilitador, um certo espelhamento como acontece, por exemplo, no telejornalismo: eu vejo um primo em um telejornal e vou querer assistir mais aquela reportagem por que aquilo de certa forma nos liga”, explica.

“Uma onda no ar” foi escolhido também por estar relacionado ao curso de jornalismo. Adriano fala que já até mesmo usou o longa em sala de aula, principalmente por trazer a possibilidade de discussão do uso dos meios de comunicação pela comunidade como um modo de desenvolvimento da própria comunicação, da arte, da cultura e de questões sociais e políticas, conforme é retratado no filme.

O longa conta a história de quatro jovens amigos que vivem em uma favela de Belo Horizonte e têm o sonho de criar uma rádio que seja a voz do local onde vivem, no entanto, obstáculos como o tráfico e até mesmo a morte impedem alguns deles de alcançarem esse objetivo. Quando a Rádio Favela é finalmente criada, mesmo ilegalmente, conquista a todos os moradores por sua programação incomum. O sucesso da rádio comunitária repercute fora da favela, trazendo também inimigos para o grupo, que acaba enfrentando a repressão policial para o fechamento da rádio.

* A cobertura do Cine Festival Inconfidentes 2012 disponibilizada aqui é uma produção laboratorial dos alunos de Técnicas de Reportagem e Entrevista 2012/1. Ao reproduzir o conteúdo a autoria deverá ser citada.