Localizando na mídia

 

Há pouco mais de três anos o professor  Carlos Alberto de Carvalho foi o responsável pela  disciplina eletiva de “Cinema e Gênero”, no início do curso de Jornalismo da UFOP.  Neste ano, foi convidado pela organização da Secom a dar uma mini-palestra sobre o tema,  com base em sua tese de mestrado que desenvolveu  sobre a relação entre mídia, homofobia e gênero. Estudantes de vários cursos do ICSA estiveram presentes.

Carvalho explicou primeiramente o que é gênero do ponto de vista  teorico e metodológico,  ressaltou também  a relação do termo  no campo da sexualidade,  e como é feita a abordagem da mídia em filmes e tele-novelas. Para exemplificar,  foi exibido o clipe “A  Drag a gozar” uma paródia da música infantil “ A velha a fiar”, com o intuito de mostrar os vários esterotipos existentes,  que produzem as diversidades.

O professor  completou a  evolução de sua pesquisa, a partir do  interesse em  perceber  a questão da homofobia  na mídia “ O percurso da minha tese,  acabou na pesquisa também de entender a formação das caricaturas gays da TV, do cinema e da internet. Embora,  eu não tenha feito nenhuma pesquisa mais temática, quis entender , como que certos preconceitos hoje  aparecem com um tipo de abordagem e de visão,  que é  diferente daquele mais tradicionais” – disse.

Personagens caricatos no Brasil

Numa análise pela tv brasileira, Carlos destacou o personagem Áureo (André Gonçalves) da novela Morde e Assopra da Rede Globo, como uma caricatura que fugiu do tradicional. Áureo, não esconde para ninguém a sua opção sexual, e apresenta o jeito  afeminado mas no decorrer da trama acaba se envolvendo com uma mulher e tendo um filho. Esse novo olhar, proposto pelo autor Walcyr Carrasco, chamou a atenção do professor que comentou  a história do personagem (caricatura), ressaltando a importância  do texto e dos  bordões  criados que levam a uma reflexão sobre  a  homofobia.

No final da mini palestra ,alguns estudantes comentaram outros casos de personagens caricatos  na Tv e como a homofobia é tratada nas novelas. Para Carlos, “ a homofobia é uma construção” e cabe a cada indivíduo respeitar o outro,  homossexual ou não, para a construção de um mundo melhor.

Vídeo “A Drag a gozar”

 

Texto: Cristiano Gomes