O Jornalismo e o rompimento da Barragem de Fundão

0 Flares 0 Flares ×

Neste domingo, 5 de novembro, completam-se dois anos do rompimento da Barragem de Fundão, no subdistrito de Bento Rodrigues, em Mariana. A tragédia, classificada como a maior catástrofe socio-ambiental do país, devastou Bento Rodrigues e outras comunidades de Mariana e do município vizinho de Barra Longa, como Pedras, Gesteira, Paracatu de Baixo, Ponte do Gama, entre outras.

Neste período, o curso de Jornalismo tem se debruçado sobre este acontecimento jornalístico, de forte apelo nacional mas também de imenso impacto local. Em dezembro de 2015, os veículos laboratoriais do curso, o jornal Lampião e a revista Curinga, publicaram edições especiais dedicadas à tragédia. O assunto continuou pautado, sob diversos aspectos, ao longo de quatro edições do Lampião e, em novembro de 2016, um ano após o rompimento, a Curinga publicou nova edição especial. Algumas das imagens produzidas pelos fotógrafos dos dois veículos foram expostas em fevereiro de 2016, quando a tragédia completou três meses, no Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) da Ufop.

Em março de 2016, a turma da disciplina Webjornalismo produziu o especial multimídia Entre o sucesso e a lama, que reporta as reverberações do colapso da barragem, entre os atingidos de diversas partes do país. Várias disciplinas do curso produziram trabalhos sobre a tragédia, entre elas as turmas de Apuração, Redação e Entrevista, orientadas pelos professores Rafael Drumond e Adriana Bravin, e a disciplina Crítica de Mídia, do professor Rafael Drumond, que propôs um debate sobre a cobertura da imprensa.

 

 


ENTRE O SUCESSO E A LAMA by Jornalismo UFOP 14.2 on Exposure

Além das produções laboratoriais, diversos trabalhos de conclusão de curso (TCCs) têm se debruçado sobre o assunto. No primeiro semestre de 2017, a estudante Marília Mesquita apresentou o livro-reportagem A Barragem; a estudante Cleo Silva apresentou o livro-reportagem Bento Rodrigues: vidas e sonhos fragmentados pelo caos; e a estudante Caroline Hardt apresentou o produto multimídia Paracatu de Baixo: memória e reconstrução. Outros TCCs estão em produção no curso, abordando assuntos como o deslocamento das famílias em Mariana, a questão dos trabalhadores da mineração e as vidas das mulheres.

O curso de Jornalismo também apoia, desde o início, o jornal A Sirene, produzido pelos e com os atingidos. A publicação conta com o trabalho de alunos e ex-alunos do curso e recebe apoio de professores e com laboratórios. O professor aposentado do curso de Jornalismo e diretor do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, José Benedito Donadon-Leal, publicou o poema heróico Gualaxo e é organizador da coletânea Mineralamas – O livro IV das Aldravias.

O programa de extensão Sujeitos de suas histórias tem atuado, por meio das ações Memórias do trauma, Novos sujeitos de futuras histórias e Identidades, afetos, cotidiano e memória em Mariana, junto à Escola Municipal Bento Rodrigues. Os extensionistas trabalham com as crianças e os adolescentes.

Recomendados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 0 Flares ×